Autora: Arantxa Vizcaino-Verdú / junio 6 2022 / Tradução: Vanessa Matos https://doi.org/10.3916/school-of-authors-178 Como pesquisadores, sempre nos deparamos com uma questão formal vinculada aos protocolos editoriais que, em muitas ocasiões, dificultam a apresentação de nossos achados. Conversamos sobre a extensão do manuscrito. Como sabemos, as revistas científicas delimitam uma série de aspectos formais que costumam constar […]

Autora: Arantxa Vizcaino-Verdú / junio 6 2022 / Tradução: Vanessa Matos

https://doi.org/10.3916/school-of-authors-178

Como pesquisadores, sempre nos deparamos com uma questão formal vinculada aos protocolos editoriais que, em muitas ocasiões, dificultam a apresentação de nossos achados. Conversamos sobre a extensão do manuscrito. Como sabemos, as revistas científicas delimitam uma série de aspectos formais que costumam constar em seus regulamentos ou em checklist prévio. Entre os principais critérios está a extensão (normalmente em palavras ou, em alguns casos específicos, em páginas) do trabalho, esta uma das dores de cabeça dos acadêmicos. Você já terminou um manuscrito com 8.200 palavras e a revista suporta apenas 7.500? Nestes casos podemos recorrer a:

Remova os espaços ao redor dos operadores matemáticos

Normalmente, os regulamentos editoriais não indicam esse tipo de critério, sendo um recurso amplamente utilizado em estudos empíricos. Portanto, uma maneira fácil de reduzir palavras é remover espaços entre números e operadores matemáticos como “=”, “<”, “>”, etc. Por exemplo, escrever “n = 3” dá origem a três palavras que, com “n=3”, seriam contadas como uma.

Elimine adjetivos e advérbios dispensáveis

O significado das premissas pode variar consideravelmente quando incorporamos adjetivos ou advérbios para detalhar o estudo. Porém, repetir seu uso ao longo da escrita pode aumentar (significativamente) o número de palavras totais sem fornecer informações. Por exemplo, em “A proteína X foi muito reduzida quando as células foram cultivadas em um ambiente com alto teor de sal” (19 palavras) “muito” poderia ser omitido, por que não constitui um significado quantitativo, descritivo e rigoroso. Para tornar explícita a magnitude da redução, a premissa poderia ser reescrita: “As células que superexpressam a proteína X crescem mais lentamente do que as células do tipo selvagem” (15 palavras).

Remova ou substitua os conectores

Essencial para o rastreamento de leitura, os conectores devem ser usados ​​de forma adequada e em quantidade parcimoniosa. De fato, muitas vezes recorremos às insistentes “tags” do pesquisador. Para evitar isso, devemos reler cuidadosamente o manuscrito várias vezes (e em diferentes momentos do dia ou da semana), para que possamos detectar onde alguns conectores se repetem, onde podemos omiti-los ou onde eles são inconsistentes. Também podemos usar conectores semelhantes para reduzir a extensão como, por exemplo,: “mas” em vez de “no entanto”, “conseqüentemente” ou “assim” em vez de “portanto”, etc.

Não reescreva ou repita dados/informações

Ao apresentar dados em uma tabela ou figura, não repita essa informação no texto. Se a tabela indicar que 400 pessoas participaram do estudo, não é necessário indicar isso no resumo, introdução, seção de amostra, etc. Reiterar esse tipo de dado pode limitar a extensão do material com uma informação repetida. Para evitar que isso ocorra, basta indicar “Os dados demográficos dos pacientes estão descritos na Tabela 1”, e, desta forma, podemos nos poupar de um longo parágrafo de explicações.

Evite redundância de ideias

Ao terminar o manuscrito, é importante fazer uma releitura do artigo. Nesse sentido, vale a ironia da epígrafe, é preciso reler a obra em momentos diferentes que permitam compreender a escrita de outra perspectiva. Dessa forma, você poderá identificar redundâncias ou até mesmo resumir problemas que havia delineado anteriormente.

Adapte o manuscrito ao estilo da revista

Embora muitos pesquisadores deixem essa tarefa para o final, a revisão do regulamento da revista à qual o artigo será submetido deve ser um dos primeiros passos. É importante ter em mente não apenas a extensão, mas também a forma como os autores são citados no texto e a lista de referências, como as epígrafes são introduzidas, entre outros aspectos. A diferença entre o formato de referência APA 7th Ed. ou Harvard pode ser a solução para muitos desses problemas de extensão.

Entradas recientes